Corrupção na Alta Ciência: a Gordura Não é Culpada

Tempo de leitura: 6 minutos

0 Flares 0 Flares ×

Quero falar da indústria do açúcar, de como ela subornou destacados pesquisadores da universidade de Harvard para culparem a gordura e inocentarem o açúcar.

Um artigo que saiu dia 12 de setembro da revista JAMA demonstrou com dados aquilo que a ciência séria sempre soube: A indústria alimentícia e farmacêutica corrompe pesquisadores de reconhecida competência para defenderem pontos de vistas e interesses dessas indústrias. Como a ciência séria sabia disso? Se fizer uma pesquisa séria, chega a conclusão de que gordura não faz mal para a saúde e outro cara publica que faz mal, tem alguma coisa errada, e tem muito disso.

Nós abordamos em um vídeo anterior o assunto sobre o colesterol, como a indústria farmacêutica manipulou para que o colesterol fosse considerado perigoso para problemas cardíacos quando ele não tem efeito nenhum e que as pessoas tinham que tomar remédio para baixar o colesterol.

Voltando ao nosso artigo. Nesse artigo escrito por um professor da faculdade da Califórnia mostrou documentos de 1967, mais ou menos 50 anos atrás, a fundação da pesquisa do açúcar hoje chamada de Associação do Açúcar pagou para três cientistas destacados de Harvard para fazer um trabalho de revisão científica que condenasse a gordura e inocentasse o açúcar como causa de risco cardíaco.

Os documentos mostram claramente, sem sombra de dúvida que eles pagaram na época 6.800 mil dólares para cada pesquisador que hoje vale cerca de 49 mil dólares.

Esses estudos foram realizados de forma de revisão sistemática, muito forte em termos de evidência científica. É pego todos os trabalhos que foram feitos sobre aquele assunto e se faz uma revisão, porém eles fizeram uma revisão parcial, de tal forma que as gorduras aparecessem como inimigos e o açúcar não. O trabalho foi publicado na New England Jornal of Medicine (principal revista do mundo de publicação de trabalho científico clínico). Quando um trabalho é publicado em uma revista de tamanho padrão, com pesquisadores de tamanho currículo, imagine o estrago que causa.

A partir daquele momento então a gordura estava sendo demonizada e o açúcar ficou sendo o mocinho. As coisas não ficaram por aí, ficaram piores.

Um autor desses que é chamado Dr. Mark foi nomeado chefe do departamento de nutrição da secretaria de agricultura dos EUA, essa é a parte mais nobre que fala sobre alimentação. Ele foi o responsável para fazer as diretrizes alimentares do governo federal americano. Isso aconteceu em 1977, ou seja, dez anos depois ele fez aquela famosa pirâmide alimentar horrível onde coloca no andar de baixo muito carboidrato e para comer de vez em quando a gordura. Aquela pirâmide completamente errada foi realizada e coordenada por um corrupto que recebia dinheiro da indústria alimentícia para demonizar a gordura.

Se vocês entenderem que quando um artigo de revisão publicado na new England leva a uma mudança de postura e depois, um grupo oficial do governo diz que a gordura faz mal a saúde, imagine o dano que isso causou à população. As revistas científicas naquela época não tinham a obrigação de declarar conflito de interesse. A própria New England só começou a exigir que os autores declarassem conflito de interesse ou demonstrassem interesses financeiros a partir de 1984, ou seja, 20 anos depois.

Aí começou a ficar um pouquinho mais difícil de trabalhos como esse terem uma repercussão grande. Porém este trabalho teve uma repercussão tão grande que até hoje alguns médicos dizem para seus pacientes parares de comer gordura, alguns de vocês já estão tão impregnados com essa situação que dizem “eu cuido da minha saúde, eu não como gordura’”. Tudo baseado em uma corrupção violenta que aconteceu em níveis elevados na alta ciência.

A revista JAMA que publicou este artigo fez um editorial dessa revista dizendo “as provas apresentadas são confiáveis”. A prática das empresas de alimentos deliberadamente manipularam a investigação a seu favor continua. Isso disse a revista JAMA.

Hoje é quase impossível manter-se com a gama de empresas de alimentos patrocinando investigação de fabricantes da mais alta patente de produtos alimentícios, bebidas, suplementos, produtos e etc., para que os artigos rejam favoráveis ao patrocinador.

Ano passado um artigo da New York Times revelou que a Coca-Cola, maior produtor de bebidas açucaradas do mundo, maior veneno para o corpo segundo milhares de trabalhos científicos, forneceu milhões de dólares de financiamento para investigadores científicos minimizarem a ligação entre bebidas açucaras e a obesidade. A consequência foi aquela propaganda maravilhosa (de bonita) que mostrava que você pode tomar Coca-Cola se correr, porque a bebida tem 100 calorias e correndo você gasta essas 100 calorias. Esquecendo a gama de problemas que a bebida açucarada, que a química provoca no nosso corpo.

Em junho de 2015 a reviste New York Times fez um artigo dizendo que fabricantes de doces estavam financiando estudos que afirmavam que crianças que comem doces tendem a pesar menos que as crianças que não comem.

Meus amigos, sejam espertos, sejam céticos com o que estão ouvindo, não acredite cegamente no que as autoridades médicas dizem, desconfiem até mesmo de mim!  Será que estou bem informado? Será que a informação que vocês estão ouvindo de mim ou de algum outro profissional está atualizada? Será que tem algum interesse comercial por trás disso? Eu posso até estar passando uma informação que eu acredite ser verdadeira, eu sou honesto. Outro médico pode ser honesto, íntegro, ético e de tanto receber essas informação erradas ele acredita que é preciso parar de comer gordura e diz isso com convicção, mas ele está errado, pois ele não está atualizado. Se existe interesse comercial desconfie!

Alguém pode estar ganhando dinheiro, desconfie. Use o bom senso, use a lógica, use a coerência. Essa informação tem bom senso? É lógica? Essa informação tem relação com a história do ser humano?

Na nossa história a Coca-Cola fazia parte? Vamos revisar isso, vamos ter consciência naquilo que nós estamos deixando para os nossos filhos, dando para nós, vamos desconfiar um pouquinho dessas informações muito batidas. Desconfiem dos programas de televisão que estabelecem certa postura.

Não estou dizendo que todos eles estão errados, mas pode ser que tenham um motivo escuso para isso.

Espero que você tenha tido uma visão mais ampla sobre o que são as influências que nós recebemos para tomar atitudes em relação a nossa saúde.

Eu te desejo uma supersaúde.

10

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *